Para que o Portal possa funcionar corretamente, instalamos pontualmente no seu computador ou dispositivo móvel pequenos ficheiros denominados cookies ou testemunhos de conexão.

PORQUE SOU MAÇON?

Votos de utilizador:  / 175
FracoBom 
AddThis Social Bookmark Button

O que aqui me traz hoje, para além de uma integral devoção à Maçonaria Universal, a que me orgulho de pertencer, é a resposta ao convite do meu querido e ilustre Irmão Amando H.'., no sentido de tecer, para o mundo profano, algumas das reflexões pertinentes, na minha qualidade de Maçom. Num momento histórico em que os valores do Universalismo se começam a esboçar, melhor ou pior, em particular através da destruição das barreiras da informação, da globalização do conhecimento e das atitudes, e, para nós, do emergente espaço comunitário europeu, é urgente explicar aos outros “porque sou Maçom”. Este é, como penso ser do conhecimento comum, o título de um brilhante livro do meu Irmão Amando H.'., que eu não pude resistir a retomar nesta comunicação, pela sua pertinência, independentemente do seu conteúdo original.

Numa época em que a temática do Universalismo deixou de ser apanágio quase exclusivo da comunidade maçónica, em que os valores profundos da Liberdade, Igualdade e Fraternidade, ou da Fé, Esperança e Caridade se desmaterializam e desconstroem, em que a virtualidade dos valores reais se confunde com a realidade dos valores virtuais, em que tudo o que é imaginável se demonstrou realizável, mas em que persistem todos os erros e vícios e desigualdades e preconceitos e intolerâncias que sempre definiram e marcaram a história da humanidade e das suas sociedades, não é redundante um Maçom questionar-se e procurar definir o seu próprio contexto espacial e conceptual. De construtor de catedrais a construtor de sonhos e fantasias vai um passo de gigante, vai um imaginário de formiga. O convívio entre a sumptuosidade mítica das catedrais e a miséria, a fome e a intolerância, acompanha ainda a contemporaneidade. A injustiça, os preconceitos e os erros são tão actuais como a internet e as sondas no espaço. Por cada lauto banquete numa qualquer cidade da europa comunitária, há milhões de africanos que anseiam que lhes caia do céu um saco de cereais despejado por um avião da cruz vermelha, ou de outra qualquer organização de solidariedade. A cada humano solidário continuam a corresponder milhões de umbigos solitários. A realidade que se nos oferece neste fim de século não é, assim, muito diferente das realidades que se nos ofereciam em tantos outros fins de século. O fim de século não significa o fim nem o início de seja o que for. É apenas um instrumento de medida como tantos outros, se quisermos, um instrumento de medida da nossa inoperância, da nossa incapacidade.

Na minha qualidade de docente universitário, que venho exercendo, paralelamente com outras, há mais de duas décadas, tenho assistido ao nascimento e ao enterro de muitos heróis. Todos eles contribuíram para a diferença, nenhum deles pôs termo ao sofrimento, à intemperança, à injustiça. A Humanidade Sofredora de hoje mantém-se idêntica à Humanidade Sofredora de todos os tempos. À cura para uma doença fatal sucede sempre uma doença fatal sem cura. A cada passo dado no sentido do conhecimento corresponde uma avalanche exponencial de dúvidas. Se calhar é mesmo para ser assim, o que não é impeditivo do nosso inconformismo.... É nesta esteira de preocupações que parto em demanda dessa questão que me traz aqui hoje: porque sou Maçom? Como sou Maçom? Para que é que isso serve? Como pode a Maçonaria contribuír para um mundo melhor, mais humanista, mais solidário, mais fraterno, mais equilibrado, enfim, será que pode? É óbvio que não vou dar resposta a estas inquietações, porque à medida que vou crescendo, são maiores as dúvidas do que as certezas, o que, provavelmente, tornará irrelevante para o futuro da humanidade esta minha intervenção. Gostaria, contudo, de partilhar convosco estas mesmas inquietações, se isso me for permitido. 

Afirmar hoje que sou Maçon, pode sugerir várias significações e não menos enquadramentos. Nenhum deles será, contudo, suficientemente explícito para designar porque sou Maçon. Há uma certa tendência para se caír neste tipo de falta de clareza quando não se sabe bem o que dizer. No entanto, eu lancei o meu bote à deriva, e tenciono colher-lhe a trajectória. Volto ao início: Porque sou Maçom? A primeira resposta pertinente que me surge é: porque sim! (Não chega, não é suficiente). Sou Maçon porque acredito, sigo, milito nas Constituições de Anderson! Sou Maçon, porque fui iniciado numa Loja Regular - Justa e Perfeita. (Aproximo-me da razão)... Sou Maçom, porque os meus Irmãos me reconhecem como tal... é isso: há um grupo de gente, que eu não escolhi - uns, já lá estavam; outros, chegaram depois - que me reconhecem no seu seio, me acompanham, me ajudam, contam comigo, conto com eles... Há um grupo de gente, que eu reconheço de modo diferenciado, e que me reconhece de modo diferenciado. De quê? De todo o resto que indiferenciadamente me não reconhece...


Existe um grupo de pessoas, espalhado pelo universo, capaz de me acolher, de me reconhecer, de me identificar, apenas porque sou Maçom. Num acervo infinito de gente, há gente que me reconhece. Há gente que me responde a um telefonema, porque me apresento na qualidade de Maçom. Há gente que eu nunca teria conhecido, mas que conheço, apenas porque sou Maçon. Haverá, eventualmente, gente que, se eu não fosse Maçon, nunca me teria conhecido ou reconhecido, na imensa mole de gente que, não sendo Maçon, também é gente. No entanto, a Maçonaria não se esgota nisto, mas é também isto. Isto é, não é bem isto, mas é sobretudo isto. Não vos venho falar de rituais, de ritos, de liturgias, mas, sobretudo, acima de toda e qualquer suspeita, daquilo que, para além do acto iniciático que me tornou Maçom; de todos os outros actos iniciáticos que me permitiram progredir na via da Maçonaria; de tudo aquilo que, apesar de tudo, me obriga e abriga como Maçom; origina o facto de vos estar a dizer que sou Maçom. E se o sou, é por que me sinto como tal e, sobretudo, porque os meus Irmãos me reconhecem como tal. O que é que eu espero de um mundo que me reconhece como Maçom? O que é que o mundo espera de mim, enquanto Maçom? Que tenho eu para dar, ou para receber, por esse facto? Um abrigo? Um qualquer espaço recôndito de reconhecimento mútuo? Medalhas, condecorações, não, seguramente! Um olhar imaculado, virginal, sobre o acidente a que se chama quotidiano? Volto à origem: sou Maçom, porque os meus Irmãos me reconhecem como tal. Reconheço os meus Irmãos porque há um segredo que nos liga. O segredo, pelo simples facto de o ser, não é desvelável nem é desvendável!

Este mundo está dominado por aqueles que, de entre nós, são mais actuantes: não necessariamente mais consequentes, não necessariamente mais honestos nos seus desígnios. Antes, até, pelo contrário. Este mundo que nós conhecemos ou pensamos conhecer, no âmago da nossa pueril inteligência, tem muito pouco a ver com a nossa / minha qualidade de Maçom. Existe-se para consumir e não para consumar. É triste, mas é verdade, aquilo que nos liga, na inércia do sistema de estarmos vivos, é a ânsia daquilo que nos separa. Juntamo-nos, corporativamente, para encontrar abrigos para o que nos separa. Afirmamos a diferença mais do que a semelhança. Esgaravatamos o inferno para provar que somos deuses. Que Olimpo este, tão cheio de cepticismo, de hipocrisia, de auto afirmação. Que céu este, tão cheio de núvens, de cavaleiros sem cavalo, de Quixotes sem moínhos... Sou Maçom porque sim, e disse!!!!

Ou não disse, porque a segurança das minhas afirmações não acompanha a segurança dos meus actos. Ser Maçom, significa, se calhar, aquele imaginário que eu persigo, mas não alcanço. Ou pior, perseguir aquele imaginário que serve de escudo à minha impotência. Ou, se calhar, ser aquilo que o sendo, não o é... na perspectiva em que eu coloco a vontade, mas que a possibilidade recusa... Ser Maçom é, porventura, tentar sê-lo... ou dizer-se que se é... E a P2?, e o negocismo? E os lóbis inconfessáveis? E essas pequeninas e grandes ânsias de poderes... e, eventualmente, de poderes consumados? Porque ser Maçom, hoje, quando se pode ser tantas outras coisas? Por quê ser aquilo que se deseja ser, mas que se receia não ser suficientemente? Mas, ..., ser Maçom, ... , é também, e, sobretudo, escolher, no mundo labiríntico que nos enforma, uma forma de traçar caminhos, eventualmente tão labirínticos como aqueles que traçam a necessidade de os percorrer...


Ser Maçom, é também ser lúcido, ou seja, admitir a Luz que nos ilumina quando nos consideramos sábios. Melhor, a Luz que, sem o sabermos, despeja em nós o calor que nos energiza. Não há nada de místico na Luz que nos ilumina. A leitura esotérica da nossa realidade reflecte apenas a lucidez pragmática da nossa realidade esotérica. A Liberdade viaja com o sonho, à velocidade da Luz. A Igualdade é o mito apócrifo de todo o imaginário humano. A Fraternidade reside no extremo do mutualismo, no fundo do túnel da esperança que mantém vivas as nossas paixões, os nossos sonhos, a puerilidade das nossas emoções mais sinceras...Encontar um Irmão, é recuperar uma peça perdida da nossa identidade, é recorrer ao regaço de uma mãe eterna, protectora, coadjuvante dos nossos receios, porque são também estes que nos ligam, é a dúvida que nos mantém unidos. A certeza é apanágio de quem não sabe. Se nascer é sofrer, renascer é reencontrar um curso para o sofrimento, ou seja, reciclar o sofrimento em felicidade. Eu, sou Maçom, porque sim! Admito, contudo, que os meus Irmãos me reconheçam como tal....

Outra questão que se pode colocar, neste âmbito de reflexões, é: o que deve o Mundo à Maçonaria? O que deve a Maçonaria ao Mundo? É tradicional o sentimento do Maçom que, ao fim de três ou quatro anos de frequência da sua Loja, se interroga: o que é que ando aqui a fazer? Como e de que modo poderá ser a Maçonaria, ou o meu trabalho como Maçom, útil à Sociedade e ao Mundo? E criam-se guildas e associações e sociedades de pressão, e intenções que se transformam em negócios e negócios que se vêm a confundir com todos os outros negócios do mundo profano. Passem-se os juízos de valor... A vontade de exercer um qualquer protagonismo, consentâneo com os valores intrínsecos da Maçonaria, é uma vontade legítima. A operatividade da Maçonaria é notória em todas as formações, transformações e convusões do mundo ocidental, nos últimos séculos. A História da modernidade atesta-o. Mas a questão de fundo é esta: será mais urgente e consequente a acção no mundo exterior, profano, ou a acção, determinada e constante sobre cada um de nós, pedra obviamente constitutiva do edifício universal? Por outras palavras, admitindo que a cada Maçom assiste uma participação no mundo profano - familiar, profissional, etc. - não será mais profícuo o trabalho sobre a pedra bruta que cada um de nós constitui, na sua essência, do que essa urgência, por vezes histérica e mesmo histriónica de agir por agir, de mostrar serviço, quantas vezes mau, na sociedade civil? Esta, meus senhores, é uma das questões, porventura, mais polémicas e complexas que assistem a um Maçom. Tenho-me deparado e confrontado com ela, ao longo de mais de uma década, na minha qualidade de Maçom. 


É usual ouvir-se dizer, em Portugal, que foi a Maçonaria que instituíu o regime republicano no país. Será, contudo, a Maçonaria, uma instituição republicana? É claro que qualquer pessoa que conheça minimamente a história dos povos e das civilizações sabe responder que não. Muitos aristocratas e monárquicos notáveis preencheram e preenchem o painel das personalidades diferenciadas no quadro da Maçonaria portuguesa, e da Maçonaria Universal, como é natural. Claro que também é natural que, tratando-se o corpo maçónico de um acervo de homens livres e de bons costumes, no seu seio se tenham notabilizado alguns dos mais ilustres republicanos da história dos povos em geral, e da república portuguesa, em particular. O mesmo poderá ser referido, no respeitante à dicotomia laicismo-religiosidade, por exemplo. Será o laicismo um apanágio da Maçonaria? Estou convencido que não. É claro que a Maçonaria acredita numa sociedade laica, em que os valores da cidadania e do humanismo se sobreponham aos interesses e aos valores de uma qualquer comunidade religiosa. Mas, em toda a história da Maçonaria, mesmo na história contemporânia, encontramos cidadãos laicos e cidadãos membros do clero, cidadãos agnósticos e cidadãos de grande profundidade religiosa, a partilhar os trabalhos de Loja, unidos na mesma cadeia de união. Isto significa que os valores que nos ligam constituem elos de metal mais sólido e forte do que os que eventualmente nos separam. Os credos religiosos, as militâncias políticas, as idiossincrasias culturais que definem a individualidade de cada Maçom, subjazem aos elevados valores humanos e sociais que os religam nessa sólida cadeia de união universal. 

E esta reflexão leva-nos a uma última questão: o facto de haver, dentro do mesmo país, diversas Obediências maçónicas, por vezes com adjectivações diferentes, significa que existem sectarismos ou rivalidades maçónicas? A História, neste aspecto, também é clara: a Maçonaria é uma Ordem Universal. Os homens, por vezes, apesar de partilharem os mesmos valores e objectivos, encontram-se conjunturalmente divididos. É humana a diferença de opinião e a afirmação da diferença. Contudo, no universo da Maçonaria, são mais fortes os valores de religação do que os de rotura. A Ordem Maçónica Universal tende para o reconhecimento da diferença e da especificidade cultural de cada Obediência. O mesmo se passou, na Idade Média, com as diversas Ordens Religiosas: a força religadora era mais forte do que a diferenciadora. Ouve-se, por vezes, falar, nos salões do mundo profano, como em certos meios maçónicos, de uma divisão entre uma Maçonaria dita regular e uma outra dita liberal, ou adogmática. A primeira, mais conservadora e enfeudada aos valores da religiosidade, ou da crença numa verdade revelada, liderada pela Inglaterra e pela anglofilia, e a segunda, mais progressista, eventualmente ateia e aberta à mudança, liderada pela França e pela francofilia. É certo que existem obediências que se reclamam da exclusividade dos princípios (landmarks) maçónicos, e outras, que procuram uma maior adequação às mutações sociais do nosso século. Aquilo que as separa é o que separa dois irmãos desavindos, mas que continuam a reconhecer-se como irmãos nos momentos chave da sua existência e convivência. É a perspectiva do universalismo maçónico que todos os Maçons perseguem e invocam, quando procedem, no encerramento dos seus trabalhos de Loja, à Cadeia de União.

[topo]

Volto a afirmar, no mais íntimo da minha convicção: a Maçonaria não é, não será, nem foi nunca regular, liberal, adogmática, operativa, especulativa, republicana, laica, monárquica, anarquista, socialista, mista, feminina, ecológica, verde ou libertária. Ela foi, e será sempre, Universal, atenta às mutações culturais, motor dos ideais vertentes sobre os valores que persegue, em cada momento histórico, em função de metas que vai atingindo e transpondo, fora de toda a estanqueidade, de todo o enquistamento que o mundo profano determina. Se hoje, o dogma é, ainda, e por não ter ainda sido ultrapassado: Liberdade, Igualdade, Fraternidade; Sabedoria, Força, Beleza; amanhã será aquilo que aqueles que viermos a iniciar vierem a perseguir, se conseguirmos que estes valores se tornem, entretanto, redundantes, no sentido da Perfeição do Homem e da Sociedade que o abriga e obriga. Ao julgarmos perseguir a essência dos valores iniciáticos da Nobre e Augusta Ordem Maçónica, que se fundam, entre outros, em conceitos como os de Fraternidade e de Tolerância, deixamos de parte os epítetos e as adjectivações sectárias, e fixamo-nos nos valores que nos ligam, aprofundando as razões do acervo simbólico iniciático que nos enforma, sob pena de deixarmos que a ânsia cega de modernidade contribua para o esvaziamento dos valores estruturais da Tradição. 

Liberdade, Igualdade, Fraternidade; Paz, Amor, Humanismo; etc., para além de sons agradáveis ao ouvido, são valores insofismáveis e inquestionáveis para um Maçon; serão, porventura, dogmas irrecusáveis. Penso que ainda é cedo para se falar de uma Maçonaria Quântica, ou mesmo Cosmogenética, que tome por premissas a dinâmica não-linear, a teoria dos fractais ou a da auto-similaridade. No equilíbrio entre a exacerbação da ordem e a exacerbação do caos, situa-se, penso, a Maçonaria Universal, ou seja, nesse sempre humano equilíbrio entre a arritmia do cérebro e o pulsar seguro do coração, nessa sempre necessária fecundação da emoção pela razão, e vice-versa, que reciprocamente se estimulam em espiritualidade e acção criativa. As diferenças de rito, a maior ou menor abertura às idiossincrasias do mundo profano, a mais rápida ou mais lenta adequação à mudança em termos de superestrutura, não constituirão entrave, mas antes incentivo ao apertar dos laços entre todos os homens livres e de bons costumes que, pela iniciação ritual e simbólica, se tornaram Maçons. E este objectivo dirige-se a toda a Humanidade.

Regresso ao tema inicial desta comunicação e pergunto-me: porque sou Maçom? A resposta é inevitável: por todas estas razões e por outras, eventualmente inconfessáveis ou inexprimíveis, mas a razão primeira e, certamente a mais segura é PORQUE SIM!
Disse


Maio de 1998

Luis Conceição
M.·. M.·. (R.·. L.·. Convergência, n.º 501, a Oriente de Lisboa, G.·. O.·.. L.·..)

Prancha apresentada no Ciclo de Belas Artes em Madrid, na qualidade de Grande Chanceler do Grande Oriente Lusitano, Maio de 1998.