Para que o Portal possa funcionar corretamente, instalamos pontualmente no seu computador ou dispositivo móvel pequenos ficheiros denominados cookies ou testemunhos de conexão.

MAÇONARIA: NECESSIDADE OU FARSA?

Votos de utilizador:  / 10
FracoBom 
AddThis Social Bookmark Button

Onde temos razão não podem crescer flores
(Yehuda Amichai, poeta israelense)

Às perguntas “por que você ingressou na maçonaria?” e “por que você permanece nela?” haverá provavelmente tantas respostas − coincidentes ou não − quantos indivíduos forem questionados. A segunda indagação é mais sensível, pois pressupõe algum conhecimento interno da Ordem, enquanto que a primeira normalmente é baseada em informações externas. Poupo-me de dar exemplos de respostas que já ouvi ao longo destas três décadas, durante as quais me dediquei à maçonaria e busquei compreendê-la. Posso afirmar, apenas, que desde o primeiro dia, mercê de minha fascinação por leitura, interessei-me por sua doutrina e sua história. Ainda hoje continuo interessado e, na prática, vejo que há muitos caminhos e descaminhos, visões superficiais e profundas, predominando quase sempre estereótipos com base em conceitos de fraternidade, igualdade, liberdade, aprimoramento pessoal, mutualismo, filantropia e outros tantos que fazem parte do discurso maçônico. Não faço, quanto a isso, nenhum juízo de valor. Vale dizer, abstenho-me, neste artigo, de afirmar se há acerto ou erro, se seriam válidas ou não tais concepções, pois todas elas, de alguma forma, estão inscritas ou decorrem da vasta doutrinação maçônica.

Mas outra indagação, que me parece ser bem mais importante, poderá ser feita. Será que essa compreensão relativamente estandardizada explicaria a subsistência da maçonaria nestes quase três séculos? Explicaria por que homens tão diferentes entre si, quer no plano social, econômico, ideológico, emocional, profissional, psicológico, político, religioso e tudo o mais, se disponham a reunir-se em Lojas para formar grupos fechados, segregados periodicamente da grande sociedade? Por que esses indivíduos tão distintos entre si se submetem a ritualismos, mitos e simbologias totalmente diversos da objetividade do seu cotidiano, a ponto de serem até ridicularizados por quem estivesse de fora os observando pela primeira vez?

Pois bem. A Loja Maçônica Fraternidade Brazileira de Estudos e Pesquisas, do Oriente de Juiz de Fora-MG, sugeriu para o seu XV Encontro de Membros Correspondentes o tema “O que podemos fazer para sentirmos a maçonaria mais forte e unida?”. Diria com mais ênfase, ainda, “o que podemos fazer para torná-la efetivamente mais forte e unida”, e não só para “sentirmos” que ela assim o seja, embora reconheça que antes do “agir” é preciso “ser” (agere sequit essere). A resposta para mim é muito clara e está intimamente ligada não só àquelas duas questões colocadas no topo deste artigo (por que ingressei na maçonaria e por que permaneço maçom?), mas principalmente à compreensão da subsistência secular da Ordem, que tem reunido sob si tamanha diversidade de individualidades, as quais, se contrapostas em qualquer outro ambiente, provocariam fatalmente conflitos destrutivos. Óbvio, portanto, que, “interna corporis”, a Maçonaria jamais poderia ser palco destes conflitos destrutivos, provocados pelo confronto de individualidades. Ela deve ser o lugar e o instrumento adequado para superar, racional e inteligentemente, os antagonismos. Essa é a conclusão mais elementar e prática que se poderia supor para que a Maçonaria seja efetivamente forte e unida. Mas, para além da sua peculiar metodologia de instrução e fundo doutrinário, qual seria a razão subjacente e poderosa, sob cuja base indivíduos tão diferentes se unem sem abdicar da sua individualidade? Esse substrato deve necessariamente existir e, portanto, ser identificado. Caso contrário, acabar-se-ia por incorrer, mais cedo ou mais tarde, em uma grande farsa funcional, por conta daqueles que estariam assumindo posturas rituais por mero mimetismo ou conveniência, deixando-se levar pelo comodismo e abstendo-se de questionar ou, o que é pior, reproduzindo formas desprovidas de conteúdo.

A velha e boa lógica nos ensina que a compreensão (conteúdo) das idéias está na razão inversa de sua extensão (conjunto de sujeitos a que convêm). De igual maneira, pode-se dizer (e isso está nas lições de aprendiz) que, em matéria de saber, a qualidade é preferível à quantidade. No mundo atual, em que se abate sobre nós uma tempestade ininterrupta de informações acerca de tudo e sobre todas as áreas conhecidas e desconhecidas, é fundamental que não se sucumba sob essa nova modalidade diluviana. Sem perder de vista o avanço do conhecimento, a saída sensata é buscar pelos princípios das coisas, a fim de reorganizar o pensamento e orientar nossas ações. Será preciso deixar de lado tudo que é acidental e ater-se ao essencial. Penso que o ponto fundamental que está na gênese da Maçonaria sempre foi e será a necessidade que tem o ser humano de encontrar-se com outros seres humanos, em um nível de intimidade que lhes possibilitem confrontarem suas experiências pessoais, de maneira respeitosa e segura. Tal encontro será tanto mais proveitoso quanto mais heterogêneo for o grupo.

Para mim, esse é o ponto central do círculo maçônico; aquele que tem sustentado essa sociedade particular, separada da grande sociedade civil. A partir desse encontro íntimo será possível a conciliação dos opostos e transcender as diferenças pessoais, mobilizando-se a massa crítica resultante em prol de finalidades escolhidas, as quais dependem do mesmo processo de confronto das idéias. No começo do Século XVIII, a Maçonaria se estabeleceu como um “centro de união” (cf. artigo 1°, das Constituições de Anderson), onde indivíduos de qualquer raça, credo ou ideologia poderiam superar suas diferenças e construir um ambiente de concórdia, firmado num compromisso mínimo acerca de religião e ética. Alguém poderá dizer: mas hoje as coisas são bem mais complexas, pois não se trata de conciliar somente pessoas, mas sim enfrentar antagonismos entre valores (banalização de condutas criminosas, públicas e privadas), instituições e até mesmo nações. É verdade, mas na base de tudo isso sempre estará o homem. E é a natureza humana o material com o qual trabalha a Maçonaria. O sucesso desta dependerá do nível de compreensão e envolvimento que tiverem os seus membros em relação à realidade (o que é de fato) e ideais (o que pretende ser) da Ordem, coisas que bem podem estar em contradição. Aqui tangenciamos um aspecto delicado e muitas vezes evitado: enfrentar as contradições da Maçonaria, que as há seguramente, e discuti-las em profundidade, pois essa postura é vital para a sua compreensão. Observe, por exemplo, que a Maçonaria originou-se e mantém sua vertente estrutural no valor do trabalho (obreiros medievais da construção laica e religiosa), e subsiste em um mundo capitalista, mais que nos socialistas. Diz-se dela que é adogmática, mas institui postulados que não podem ser questionados ou alterados. Prega a igualdade, mas segrega.

Aparente ou não, essas são algumas dentre outras tantas contradições que sempre deverão ser pensadas em profundidade, sem receio de ser considerado “herético”. Está na origem daquela necessidade básica do ser humano, pensante, de encontrar um ambiente seguro e íntimo, onde possa expressar suas experiências e dúvidas, sabendo de antemão que colherá, dos seus parceiros, igual consideração. Enfim, para usar uma expressão corrente no profissionalismo de qualquer área, é preciso melhor “qualificar” o maçom. Afinal, a sua “qualificação” como pedreiro ou canteiro, no período operativo, não deu lugar à forma especulativa atual, vinculada à tradição operária? Nada mais sensato, portanto, do que investir-se na qualificação dos maçons especulativos, também. Se a Arte Real é a arte do pensamento, forjemos ou busquemos estão os pensadores, pois é disso que a Maçonaria mais carece hoje, tal como em outros momentos de sua história. Cumpre diretamente às Lojas a responsabilidade não só pela seleção dos profanos, como também − e principalmente − pela sua formação maçônica, cujo fundamento é a liberdade de pensamento e de expressão, no ambiente respeitoso e seguro que a Loja Maçônica pode propiciar. Nesse sentido, é de importância vital para a saúde da Ordem e da sua doutrina a existência e atuação permanente das chamadas “Lojas de Pesquisa ou de Estudos Maçônicos”, produzindo, orientando, estimulando e divulgando trabalhos de interesse para Lojas e maçons.

A Maçonaria está estruturada de tal forma que as idéias podem e devem ser confrontadas, pois é desejável e necessário que os maçons tenham fortes compromissos com ideais claros e propostas concretas, defendendo-os ao lado de seus irmãos, quando com eles identificados, ou mesmo em oposição a eles, quando honestamente acreditar na sua verdade. Respeitado o ritualismo essencial das sessões maçônicas, que traz consigo ordem e disciplina, não há outra restrição para que as idéias sejam expostas e defendidas mediante argumentação racional, até mesmo quando não sejam agradáveis ou simpáticas a outros maçons. Estabelecer esse nível de compreensão da Ordem, no meu modo de ver, é fundamental para o seu aprimoramento como instituição sempre atual e, consequentemente, fautriz de transformações sociais. A Maçonaria faculta aos seus adeptos o lugar físico, o ambiente propício, os meios e instrumentos, simbólicos ou não, e o tempo necessários para que os indivíduos se encontrem em um nível de intimidade e segurança tal que possam confrontar suas experiências e ideais, ao ponto de se tornarem vulneráveis em defesa de idéias que transcendem os interesses pessoais.

É, portanto, impensável a Maçonaria sem o momento da Loja justa e perfeita, dirigida pela sabedoria, sustentada na força da razão e ornada pela beleza dos sentimentos votados ao bem social. Por isso, concordo plenamente com Leo Apostel, em seu inspirador ensaio filosófico sobre a Maçonaria, e tomo a liberdade de fazer minhas as suas palavras, quando afirma que “Fora de Loja, os maçons, como tais, não precisam, portanto, estar ligados, obrigatoriamente, por laços de amizade pessoal, ou por um propósito comum de vida; muito pelo contrário. A profundidade do ideal maçônico, como eu o vejo, deve evidenciar mais nitidamente pelo respeito mútuo e simpatia de antagonistas (pessoais, sociais ou ideológicos).

Com isso quis também enfatizar a poderosa fonte de energia, renovável e inesgotável, dessa verdadeira usina de idéias que está implícita na compreensão e prática da Maçonaria, nesse ambiente especialmente preparado para que individualidades superem suas diferenças e, do confronto de idéias, ampliem as formas de ver o mundo circunjacente e descubram as soluções possíveis para os problemas sobre os quais se debruçarem.


Antonio Carlos Bloes
MM - Loja Harmonia e Trabalho, 222 / Itapetininga/SP, Brasil