Para que o Portal possa funcionar corretamente, instalamos pontualmente no seu computador ou dispositivo móvel pequenos ficheiros denominados cookies ou testemunhos de conexão.

OS INSTRUMENTOS DE TRABALHO DO PRIMEIRO GRAU DE AP.'. M.'.

Votos de utilizador:  / 74
FracoBom 
AddThis Social Bookmark Button

O significado filosófico e simbólico dos instrumentos de trabalho do Primeiro Grau de Aprendiz Maçom representa os conceitos fundamentais sobre a vida e o trabalho do homem, a sua natureza tríplice – corpo, mente e espírito. Esses instrumentos - a Régua de 24 PP.'., o Maço e o Cinzel - são essenciais para que o Aprendiz consiga desbastar a sua ‘pedra bruta’, que significa o próprio Aprendiz nas condições em que se encontra no mundo profano, com seus defeitos (arestas), e sobre o qual deverá proceder à sua auto-lapidação, sua auto-escultura, seu auto-desenvolvimento, transformando-se na ‘pedra polida’ em busca da construção de seu ‘Templo Moral’ consagrado ao G.'.A.'.D.'.U.'.. Simbolicamente, a Régua de 24 PP.'. é a consciência, o Maço a força de vontade e a energia, e o Cinzel a beleza moral, a razão, e significam que o Aprendiz deve dominar suas paixões, emoções e vaidades, aperfeiçoando seu espírito e desbastando as arestas que causam suas preocupações e vícios profanos.

A Régua de 24 PP.'.
A Régua de 24 PP.'. consiste no mais fundamental e transcendental de todos os instrumentos de trabalho do Aprendiz, já que sem a sua aplicação não é possível o emprego de nenhum outro instrumento. No trabalho desenvolvido pelo Aprendiz, a Régua de 24 PP.'. serve para medir e traçar sobre a ‘pedra bruta’ o corte a ser efetuado. Em outras palavras, sem a aplicação adequada da Régua de 24 PP.'. e de suas propriedades diretivas, de nada servirá os outros instrumentos de trabalho do Aprendiz – o Malho (símbolo da vontade, determinação e força executiva) e o Cinzel (símbolo da razão e do discernimento). A aplicação prática da Régua de 24 PP.'. significa preparar com precisão, planejar de forma clara e definida todo trabalho a ser executado pelo Maçom.

A origem da palavra régua é francesa (règle) e significa “lei ou regra”. Remete-nos a idéia do traçado reto e da medida (REIS, 2008). A função da Régua de 24 PP.'. é medir a longitude, base de todas as medidas, que permite compreendermos o que é cada objeto (GOMG, 2004), avaliarmos o transcurso do tempo e registrarmos seus fenômenos em movimento (PESSANHA, 2008). Como instrumento de medida pode ser utilizada para comparar e aferir os resultados alcançados mediante o que foi planejado, além de permitir definir parâmetros de ação quando do desbaste da ‘pedra bruta’ (DANIEL, 2008). A Régua de 24 PP.'., portanto, guia o Aprendiz na realização de seu trabalho, permitindo-lhe planejar suas ações e criar regras, leis e padrões de conduta norteadores de seus objetivos.

As 24 polegadas da régua (tamanho de um passo normal de ± 75 cm) representam o total de horas de um dia, e significam que o Aprendiz deve viver o dia com critério e planejamento (régua) sabendo também dividir seu tempo entre o trabalho, o lazer, a espiritualidade e o descanso físico e mental. REIS (2008) cita o filósofo grego Demócrito, que no século V a.C. escreveu “Ocupe-se de pouco para ser feliz”, significando administrar o tempo frente às diversas tarefas do dia a dia, e que uma única coisa deve ser feita por vez. Nos dias de hoje a preocupação com a administração do tempo, representada na lição das 24 polegadas, é fundamental, dada a dinâmica da vida cotidiana, onde é preciso reconhecer e aceitar nossos limites e aprender a priorizar e eliminar atividades que desperdiçam um dos recursos mais valiosos que o ser humano possui e que não pode ser recuperado, o tempo.

A utilização da Régua de 24 PP.'. como instrumento de trabalho auxilia o Aprendiz a planejar suas atividades, estabelecer metas e realizá-las em ordem de prioridade.

O Maço
O Maço (ou martelo rudimentar) foi o primeiro instrumento imaginado pelo homem primitivo para mover a matéria de um lugar para o outro no plano material (GOMG, 2004), inaugurando a era das ferramentas, na qual coisas alheias ao próprio corpo começaram a ser utilizadas pelo homem para conseguir seus intentos. Até então, o homem era o maço de si mesmo, utilizando seus próprios músculos como ‘instrumento’ de força. Com a sua evolução, foi se apoderando dos maços da natureza e de sua força, potencializando suas energias para o alcance de seus objetivos (PESSANHA, 2008).

Como instrumento que serve para descarregar golpes, o Maço representa o método mais simples da aplicação da força (e do poder) e simboliza, na Maçonaria, todas as forças físicas, morais, mentais e espirituais. O poder do Maço é ilimitado, pois dentro de cada pessoa existe uma reprodução do G.'.A.'.D.'.U.'., cujo poder é onipotente (GOMG, 2004).

O Maço representa a força, a energia necessária para a execução de qualquer trabalho. A energia é fundamental para a própria existência do mundo, pois nada existe sem energia (DANIEL, 2008). Na construção de sua auto-escultura, o Aprendiz precisa da força e da energia do Maço para que as ações planejadas (Régua de 24 PP.'.) possam ser efetivamente realizadas.

O Cinzel
O Cinzel possui o poder de cortar, dar forma, abrir caminho através da matéria. Para isso, necessita ter um fio cortante e resistente, de maneira a receber e transmitir a força que lhe for aplicada pelo Maço, e de acordo com a obra que com ele o Aprendiz será capaz de realizar (GOMG, 2004). O Cinzel significa a capacidade de enxergar aquilo que é preciso mudar, deve ser a autocrítica do Maçom que, apoiada pela força de vontade, fará com que consiga o desbaste necessário de sua ‘pedra bruta’ (DANIEL, 2008). Para tanto, o Aprendiz-Maçom deve possuir qualidades morais, sentimentos bons e generosos (linha da virtude), uma mente bem dotada e educada (linha da direção) e uma natureza espiritual pura e profunda (linha do discernimento), os quais serão utilizados em suas obras. Além disso, deve dirigir e concentrar a energia a um ponto definido, a obra final, para que a força não se disperse e o resultado seja alcançado, sem nunca se desviar do caminho traçado (PESSANHA, 2008).

Conclusão
Apesar de suas diferenças intrínsecas, os três instrumentos de trabalho do Aprendiz devem ser utilizados de forma conjunta e integrada. Enquanto a Régua de 24 PP.'. caracteriza-se como um instrumento estático, rígido, inflexível e fixo, o Maço e o Cinzel se mostram como instrumentos dinâmicos, móveis, flexíveis e adaptáveis ao trabalho desenvolvido pelo Maçom. Ou seja, a Régua de 24 PP.'. serve para medir e planejar com sabedoria a obra a ser realizada, o Maço para aplicar a força e energia na ação efetiva, e o Cinzel para executar o trabalho com qualidade, foco e discernimento, além de servir para polir os vícios, vaidades e paixões, e representar a beleza da obra (MOREIRA, 2008). O conhecimento está ligado à Régua de 24 PP.'., pois permite ao Aprendiz medir suas emoções, paixões e vaidades, dominando-as para que possa evoluir enquanto Maçom. A ação está ligada à aplicação da força pelo Maço sobre o Cinzel, onde deve ser observado o controle emocional do Irmão Aprendiz na aplicação dos golpes para que não haja um acidente ou imperfeições na confecção da obra a ser construída. O Cinzel representa a qualidade de sentir, pois é o instrumento com que o Aprendiz entre em contato com a matéria do mundo externo. Portanto, “conhecemos com a Régua de 24 PP.'., sentimos com o Cinzel e agimos com o Maço” (GOMG, 2004; ROSENHAIM).

Relembrando o que foi comentado no início deste trabalho, a utilização dos três instrumentos do Aprendiz deve servir para polir a ‘pedra bruta’ na busca por transformá-la em ‘pedra polida’. Isso significa determinar as ações, aplicar toda a energia e desenvolver todas as faculdades, educando e dominando a si mesmo em busca do aperfeiçoamento moral e espiritual. Este trabalho que é realizado com a Régua de 24 PP.'., o Maço e o Cinzel, nunca deve ser considerado como concluído. Como um artesão exigente, o Aprendiz deve constantemente descobrir pequenas arestas que o leve a novos desbastes em sua ‘pedra bruta’. “Quanto mais exigente for o artesão melhor ficará a escultura” (DANIEL, 2008).

Conforme destacado em GOMG (2004), “à medida que o Aprendiz pondere todas estas coisas e aperfeiçoe as suas faculdades, a energia nele existente passará a obedecer aos mandamentos da mente, realizando belas obras de artífice. Descobrirá o segredo da sua individualidade que, ao emergir do fio do seu Cinzel, o capacitará a lavrar a sua marca única e singular, signo de sua propriedade exclusiva por direito de nascimento, que só ele pode traçar”.

Por último vale também destacar a correspondência entre os três instrumentos de trabalho do Aprendiz e as três principais Luzes da Loja: a Régua de 24 PP.'. corresponde à Sabedoria do Venerável Mestre quando do planejamento e direção dos trabalhos que devem estar ajustados à perfeição e à beleza da obra de arquitetura que se realiza em cada sessão da Loja; o Maço corresponde à força e transmissão de energia realizada pelo 1º Vigilante em sua missão, cujo equilíbrio e discernimento deverá saber usá-lo no momento próprio; e o Cinzel corresponde ao 2º Vigilante, que representa a beleza e a forma como o Maçom cinzela a ‘pedra bruta’ (GOMG, 2004; ROSENHAIM).


Frederico Cesar Mafra Pereira, M.M.
ARLS Ordem E Progresso – N.133 – Belo Horizonte (MG) - Brasil

  BIBLIOGRAFIA:

  • DANIEL, Jorge Otavio. Desbastando a Pedra Bruta. Disponível em <http://www.maconaria.net>. Acesso em 07/08/2008.
  • GOMG – Grande Oriente de Minas Gerais. Ritual e Instruções de Aprendiz-Maçon do Rito Escocês Antigo e Aceito. 1ª edição. Belo Horizonte: Grande Oriente de Minas Gerais, 2004.
  • MADEIRA, Mário Sérgio. Instrumentos de Trabalho do Aprendiz. Criciúma: Grande Oriente de Santa Catarina, Loja Nova Aurora n.41, setembro de 2001.
  • MOREIRA, Fábio Teddy. Ser Aprendiz. Disponível em <http://www.maconaria.net>. Acesso em 07/08/2008.
  • PESSANHA, Harry. 2º trabalho: Instrução do Primeiro Grau. Disponível em <http://www.ictys.kit.net/Maat/haprediz1.htm>. Acesso em 07/08/2008.
  • REIS, Álvaro Botelho. A Régua de 24 Polegadas. Disponível em <http://www.maconaria.net>. Acesso em 07/08/2008.
  • ROSENHAIM, Olman. 3ª Instrução: Instrumentos de Trabalho Régua, Maço e Cinzel – Pedra Bruta. In: Instruções para Aprendizes: 24 lições – Meditando sobre a Pedra Bruta. 2ª edição, p.43-49.