Para que o Portal possa funcionar corretamente, instalamos pontualmente no seu computador ou dispositivo móvel pequenos ficheiros denominados cookies ou testemunhos de conexão.

TRABALHOS DE APRENDIZ: O AVENTAL DO APRENDIZ

Votos de utilizador:  / 78
FracoBom 
AddThis Social Bookmark Button


Após a cerimônia de iniciação, o Venerável Mestre entrega o Avental ao Mestre de Cerimônias, para com ele revestir o neófito. O agora Maçom, só poderá entrar no Templo de sua Loja, ou de qualquer outra, vestindo o avental. Primeira insígnia recebida, símbolo maior do trabalho e indispensável em qualquer ato litúrgico.

O Avental constitui a parte principal do traje maçônico, sem o qual o Maçom não estará maçonicamente trajado, possui uma característica especial que o diferencia de outras insígnias: está presente desde os remotos tempos Operativos.

Definiremos o Avental como: “essencial adorno do Maçom”, o sentido de adornar é enfeitar, decorar, e, obviamente, não é esse o principal sentido simbólico dessa indumentária.

O Avental do Aprendiz é branco, com a Abeta levantada formando um triângulo sobre um retângulo e nele não consta nenhum adorno.


COR Branca: Pode ser simbolicamente traduzida como a inocência do Aprendiz. A pureza da alma e das boas intenções de um Maçom, como sendo o último depositário da moral, dentro de nossa sociedade moderna.

O uso do avental na maçonaria especulativa é herança da maçonaria operativa, quando o avental era um adorno de proteção, utilizado pelo aprendiz operativo no desempenhar de sua função: carregar junto ao peito e desbastar a pedra bruta, a ser utilizada na edificação de Templos.

Abeta levantada: Na Maçonaria Operativa, a Abeta também era usada para cima, e havia um botão que a prendia no peito, ou um laço que passava em volta do pescoço, e isto não era por acaso, eis que no desbaste da pedra bruta, o avental servia principalmente de proteção.

Hoje na Maçonaria Especulativa, o aprendiz simbolicamente desbasta a pedra bruta vencendo suas paixões, seus vícios, enfim, seus defeitos e impurezas trazidas da vida profana, eis que agora como Maçom, ira instruir-se e aperfeiçoar-se como um homem cada vez melhor para a vida social.

Existem também algumas explicações místicas que: acreditava-se na antiguidade, que a sede das emoções humanas era o epigástrio (boca do estômago), o avental do aprendiz estando com a abeta levantada cobriria exatamente esta região.

Isso significa que não sabendo ainda trabalhar ele precisa proteger-se devendo ter o seu epigástrio coberto, para que essas emoções não possam perturbar os trabalhos da loja e para que não influam na espiritualidade das sessões.
Outra interpretação vê no triângulo formado pela abeta, a alma plantada sobre o corpo inferior (fora do corpo) que, quando for abaixada (ao atingir o Grau de Companheiro), mostrará que a alma encontra-se dentro do corpo, e dele fazendo seu instrumento.

Conclusão
Quando nos tornamos Maçons, não estamos “nem nu, nem vestidos” e sim “Vestidos com Avental”, e assim devemos permanecer durante toda a nossa jornada Maçônica, ou seja, livre de vaidades, ricos de pureza de intenções e sempre prontos ao trabalho.

Pois o uso do avental na maçonaria faz uma completa alusão ao trabalho, para lembrar ao maçom especulativo que o trabalho dignifica o homem, o faz progredir e evolui a sociedade de uma forma geral. O verdadeiro maçom não pode esquecer que sua função na sociedade é de Construtor Social.

 

Guilherme A. Tavares, A.’.M.’.
A.’.R.’.L.’.S.’. Fraternidade e Evolução nº 3198, Or.’. de São Paulo – SP / Brasil
 

 

Bibliografia: